02 fevereiro 2012

Pensamento de quinta: Deu branco!


Vou falar de algo que muitos de vocês, principalmente aqueles que escrevem, sofrem em alguns momentos. Eu até parei de escrever por uns instantes para conseguir pensar melhor sobre o assunto, pois, realmente, isso anda me assombrando. O branco. É quando você sabe, mas não sabe como dizer. É quando você lembra que já viu isso, mas “e agora para recordar?”

Quem escreve sofre disso. Quem estuda sofre disso (vide provas). Quem trabalha também sofre disso. Mas, me perdoem os demais, acredito que todos que lidam com algum tipo de arte sofrem mais do que os demais com esse vazio mental que dá de repente. Você quer compor, escrever e não consegue. A tal da inspiração foi embora. Mas eu sempre tento por em minha mente que mais que inspiração, para expor seu talento necessita de transpiração.

Vou ser bem sincera, quando pensei no que escrever, antes pensara em um tema mais complicado. Falar sobre solidariedade humana e tal. Falar sobre os prédios que caíram aqui no Rio de Janeiro, mas me deu um branco. Aproveitei a situação e resolvi escrever sobre este branco. Mas está me dando branco em falar de branco.

A falta de inspiração realmente traz transpiração. Estou já suando em pensar o que mais posso escrever para terminar a crônica de hoje. Mas vem cá, você que está me lendo e está já pirando em minha piração: você nunca sofreu com isso? Nunca ficou sem saber o que falar sobre algo? Até mesmo em um encontro, na hora de conversar com alguém que você tem interesse de ter algo a mais, pronto. Dá um branco e fica sem saber o que falar. É como dizem: se a vida lhe der limões, faça uma caipirinha. Se a vida lhe der um branco, dê um beijo. O silêncio de bocas ocupadas é bem interessante. Se não der certo sempre pode tomar uma caipirinha para ajudar nos pensamentos.

0 comentários:

E aí, o que achou?